Como me tornei uma putinha

Olá, me chamo Raquel e sou casada há 8 anos, tenho 26 anos sou baixa, cabelos encaracolados e ruivos, peitos médios, cinturinha fina e bundinha arrebitada.

Meu marido se chama Fábio, tem 26 anos também, alto, magro, bonito, e tem o pênis não muito grande.

Moramos atualmente em Jundiaí.

Casei quase virgem, digo quase pois tinha tentado com meu ex-namorado mas entrou apenas um pouco do pau e estávamos muito nervosos e não rolou, meu marido me ensinou tudo, a meter de várias posições, chupar, ser chupada, comeu meu cuzinho, ele era um realmente um amante delicioso, mas tudo passa e ele começou a me ignorar, ia jogar bola com os amigos e ficava bebendo no bar e quando chegava não queria nada, eu só de calcinha toda perfumada e ele nem me olhava, depois de 5 anos de casamento aconteceu o que vou relatar.

Morávamos em Sorocaba.

Eu trabalhava em uma lanchonete, foi quando apareceu o Roberto, 35 anos, loiro, alto, magro e muito simpático, toda a tarde ele ia para lá beber umas cervejas, começou a dar em cima de mim, algumas cantadas, mas tudo com muita educação, eu nem pensava em trair meu maridinho, era uma esposa muito fiel, ele me chamava de Amélia (que era mulher de verdade), os amigos dele me comiam com os olhos, e o priminho dele também, mas não dei chance para o Roberto apesar de ser bem legal com ele.

As brigas com meu marido eram intensas, sempre que brigávamos eu saia dar umas voltas, numa dessas eu encontrei um primo dele, ele tentou, tentou mas não teve êxito, mas comecei a me sentir diferente com outros homens, principalmente com o Roberto, imaginava como seria transar com outro e me excitava, mas logo esquecia essas idéias arrependida.

Comecei a me masturbar por insistência de meu marido que disse que eu tinha que me conhecer melhor, mas na maioria das vezes ficava só no dedo enquanto ele tava no bar, sempre me masturbava pensando nele.

Mais uma das brigas feias e eu sai dar uma volta, estava chorando, e der repente um carro parou perto de mim, era o Roberto:

– O que aconteceu linda?

– Nada, nada.

– Pode falar.

– Nada. Só briguei com meu marido, de novo!

– Entra aí no carro.

– Não!

– Vai entra, sabe que te respeito.

Eu entrei, sabia que ele ia tentar algo mas eu estava disposta a resistir.

Contei sobre as brigas, e desabafei sobre o gelo que levava na cama, falei que meu marido não queria saber mais de mim, ele disse:

– Você acha que ele tá te traindo?

– Não, acho que não, até parece viado dá mais importância para os amigos que para mim.

– Olha, deve ter mulher na parada!

– Acho que não.

Papo vai, papo vem, e ele começa a se aproximar e me fazer carinho, eu afasto a mão dele, ele insiste, começo a sentir um calor muito gostoso, pois fazia muito tempo que não transava com meu marido, ele me dá alguns beijinhos na nuca, fico toda arrepiada e digo:

– Pára, sou casada, não posso!

– Ninguém precisa saber.

– Não posso…ahn…. pára, pára…..aiiiiiii.

Ele me acariciou os peitos e me beijou muito gostoso, que língua maravilhosa, depois levou a mão a minha bucetinha (raspadinha) e eu delirei, mas para a surpresa dele resisti e disse que ia embora, depois mais alguns beijos e falei que tava bom, não queria trair o Fábio, ele me passou o seu telefone e eu fui embora.

Chegando em casa o Fábio nem olhou pra mim, senti vontade de voltar atrás do Roberto e dar para ele, mais a noitinha ele começou a fazer carinho e transamos, confesso que pensava no Roberto e como seria o pau dele.

Uma semana depois fui a um show com uma amiga, quando voltei transei com o Fábio e ele disse que estava se masturbando e pensando em mim, imaginando eu com outro, me assustei com aquilo, me fez transar com ele e de chamá-lo por outro nome como se tivesse com outro, aquilo me deixou super excitada, depois de tudo perguntei:

– Você tem vontade que eu dê para outro?

– Não! Foi só uma brincadeira.

Achei que ele ia ficar aceso de novo, mas tudo voltou a velha monotonia.

Mais uma briga feia, e fui dar uma volta, liguei para o Roberto, ele passou de carro e me pegou em uma pracinha lá perto, me levou para sua casa.

Chegando lá, depois de novos desabafos ele começou a me acariciar, nos beijamos loucamente, ele chupava meus peitinhos e depois me acariciou a bucetinha toda molhada, o telefone toca e ele atende, é a ex mulher dele que tá indo lá, gelei mas ele quis continuar, me deixou peladinha e botou dois dedinhos na minha bucetinha, com medo que ela chegasse não deixei ele me penetrar, só deixei ele passar aquele cacete gostoso na minha bucetinha, era muito maior que o pau do meu marido, e (ai tesão) todo raspadinho, vesti a roupa e ele me levou embora.

Cheguei e fui direto dormir, tava louca para dar mas tava com muita raiva de meu marido.

Nova briga e novamente liguei para o Roberto, ele passou me pegar em uma pracinha perto de casa, disse que sua mãe tava na casa e não podíamos ir para lá, fomos até uma estrada deserta e começamos a nos beijar, ele era muito carinhoso e me deixava louca de tesão, depois de muitos amassos ele tirou a minha calcinha e meteu a língua, que delicia, que língua gostosa, bem melhor que meu marido, depois me chupou todinha, eu estava babando de tesão, quando ele abriu bem minhas pernas e veio com aquela pica linda, eu disse:

– Ahnn…. não….não…não posso…

– Eu sei que você quer, você tá toda molhadinha.

– Eu quero..ahnnn…ai….mas não posso…

Ele meteu bem fundo aquela pica grossa, abri mais as pernas, e gemi alto.

– Aiiiiiiiiii….Vai tio…

– Tio? tá me chamando de velho? hehe… Tá bom minha menininha,toma…

– Ai, ui, ai, ui…..

Que cacete gostoso, ele metia forte demais, eu gemia alto e minhas pernas estavam toda arreganhada, o carro balançava muito.

Durante alguns minutos pensei em meu marido e logo depois esqueci, só lembrei de novo quando ele disse:

– Então, o corninho do seu marido não tá dando conta?

– Não…..ahnnn….Vai mete tio.

– Corno, como pode perder isso?

– Cala a boca tio, e mete gostoso….ai,ui,ai,ui…..Delicia…..

Transamos muito, ele deu duas, e meu marido nunca tinha passado de uma, mas foi duas bem dadas mesmo, ele metia com tanta força que tive medo, então descobri que o que gostava era coroa metendo forte mesmo, não aquele corninho metendo devagarinho.

Ele me deixou na esquina de casa, chegando lá meu marido já tava dormindo.

Cheguei a me arrepender um pouco, mas o Fábio não mudou.

Então depois de cada briga eu ligava para o Roberto e ele vinha me buscar, eu esperava na esquina de casa mesmo não tava nem aí com os vizinhos, íamos para a casa dele e as vezes íamos aquela estrada deserta, fazíamos de tudo só não dava o cuzinho para ele, mas o chupava gostoso, ele era muito mais gostoso que o corninho do meu marido.

Então o Fábio começou a frequentar uma igreja Evangélica e mudou bastante, começou a me dar mais atenção e paramos de brigar, mas eu já tava viciada na pica do Roberto.

Mas como pararam as brigas, eu não tinha desculpas para sair mais, então comecei a aproveitar as idas ao supermercado, quando ele falava que precisava de algo eu falava que eu ia comprar, enrolava até de noite, e telefonava para o tio para darmos uma rapidinha, então ele me levava ao mercado e me deixava na esquina de casa, o corninho nem desconfiava.

Mas era pouco, eu queria mais, então comecei a inventar que ia a casa de uma amiga e ia até a casa do Roberto, outras vezes pedia para elas passarem em casa e depois despistava elas e ia para casa dele.

– A gente tá sem vendo muito pouco minha menininha.

– Também acho, fico transando com o corninho pensando em você tio, vem…

– Toma…toma… Ai,ui,ai,ui. Mete tio. Mete gostoso na sua menininha.

Comecei a ir na casa dele durante o dia, pois não estava trabalhando essa época, enquanto o corninho trabalhava, ficava lá a tarde inteira.

Até que meu corninho veio com uma ótima ideia, queria que eu fizesse faculdade.

Ótimo, comecei a matar aula pelo menos duas vezes por semana e ia para casa do tio, de dia ia para lá e também transávamos quando eu ia para o mercado, ficava brava quando o corninho ia comigo ou ia sozinho, me encontrava de 2 a 4 vezes por semana com o Roberto, e o corninho nada de desconfiar.

Fico boba com a confiança dele, eu chegava toda cansada, e com aquelas calcinhas minúsculas e ele não desconfiava, algumas vezes cheguei a chorar de dó dele, em outras vezes transava com ele e o corno não sentia a minha bucetinha toda arregaçada, na maioria das vezes ia dormir pensando no tio.

O tio também tava gamado, as vezes ia na faculdade atrás de mim.

Então comecei a reparar num vizinho, Carlos, mecânico, alto, forte, barbudo, todo sujo de graxa, ai que tesão……

O Carlos era casado, mas quando percebeu que eu tava dando bola, ele apertava o cacete e passava a língua nos lábios, ai que delicia, me comia com os olhos e eu também o comia, achava um jeito de passar todo dia na frente da mecânica dele, e lá tava ele, calça jeans bem apertada, todo sujo de graxa, e aquele volume delicioso na calça.

Como falei, os amigos de meu marido me comiam com os olhos e não saiam lá de casa, mas quem eu queria era o Cláudio (você deve estar pensando que virei uma puta,né? pois virei, eu olhava os outros homens com muita malicia, quem trai uma vez vicia), o Cláudio até que me comia com os olhos também, mas nunca consegui ficar sozinha com ele, e tinha medo de procurá-lo pois ele era amigo de infância do Fábio.

Continuava transando sempre com o tio e as vezes com o Fábio, mas me masturbava muito pensando no Carlos.

Até que um dia um amigo do Fábio viu eu saindo do carro do Roberto.

– Você tá me traindo?

– Não, você acredita nos outros e não em mim.

– Você conhece esse Roberto?

– Conheço….ele frequentava a lanchonete onde eu trabalhava….

– Então você….

– Não, ele me xavecava mas eu não quis.

– Sei não…

– Esquece, faz tanto tempo.

– Tanto tempo? Então teve algo?

– Nãoooooo…..

Eu fingi estar brava por aquela desconfiança, e o assunto se encerrou.

Ele tava de férias, e algumas horas depois me procurou, no meio da transa ele perguntou:

– Você alguma vez falou meu nome quando tava com ele?

– Errrr… Sim uma vez- sorri

O tesão era tão grande que comecei a me entregar, é nessas horas que todas as verdades e fantasias vem a tona.

– Eu tô falando sério, não fica bravo…

– Jura?

– Sim.

Ele me largou na cama com violência e começou a chorar, pedi desculpas e menti que estava arrependida.

– Há quanto tempo?

– Faz tempo já. Mas não quero falar nisso.

Á noite ele me procurou, transamos e no meio da transa ele pediu confissões.

– Qual foi a última vez?

– Há 1 semana.

– Onde vocês transavam?

– No carro ou na casa dele, eu mato aula ou vou lá de dia.

– Não acredito.

– Sério.

– Fala a verdade você não se arrepende né?

– Nem um pouquinho.

Contei os mínimos detalhes, e ele se excitava muito e pedia para fingir que tava com o Roberto.

– Tá! Hmmm… Vai tio mete, gostoso. mete forte.

– Você é uma putinha!

– Sou mesmo. Vem. Mete na sua putinha tio. Aiiiiiiiiii…..que tesão, vou explodir.

Durante vários dias ficamos metendo muito e o corninho se revelando.

Perguntou se não sentia isso por outros homens e eu disse que sentia sim, pelo mecânico sujo e tesudo, e que já tinha me masturbado muitas vezes pensando nele.

– Tenta dar para ele então.

– Você deixa?

– Claro.

– Vou dar então, ai, fico molhada só de pensar e arrancar aquela calça apertada e chupar aquela rola gostosa.

O tempo passou, e nada e o Fábio mudou, não me deixava sair mais a noite, quando chegava do trabalho queria saber onde fui, com quem, o que fiz, era um saco, até larguei a faculdade.

O que o corninho não sabia é que eu já tava dando pro Carlos o mecânico sujo e tesudo, não foi difícil, um dia quando passava em frente a mecânica ele me viu e foi logo acariciando o cacetão, passei a língua nos lábios e ele ousado tirou para fora, o dia estava calmo e a rua quase deserta, ele começou a se masturbar, dei um sorriso e fui embora, isso se repetiu mais algumas vezes e não resisti, entrei na mecânica e fui logo dizendo:

– Você tá pensando que sou o que?

– Uma gostosa.

– Vou contar pro Fábio.

– Conta, eu sei que você morre de vontade de me dar, venha aqui a tarde na hora que eu vou embora que eu fecho a mecânica e nós conversamos.

– Se enxerga, seu abusado.

Fui embora, não acreditei que ia cavalgar naquela pica deliciosa, as 17:45 apareci por lá, ele ficou surpreso, deve ter pensando que eu não ia.

Entrei, e quando estávamos sozinhos ele fechou a loja.

Sem cerimonia começou a me beijar e passar a mão em meus peitinhos, língua quente, aquela barba tão gostosa, desceu e começou a chupar os meus peitos, que sonho, me colocou de quatro em uma mesa cheia de peças de carro e tirou meu shortinho, meteu a língua na minha bucetinha e que delicia, aquela barba roçando era um tesão, gozei muito, quando me recompus levantei empurrei ele contra a mesa e comecei a chupá-lo, primeiro o peito, depois a barriga sarada até chegar no pau, tirei o jeans dele e chupei o cacete feito louca, já não se aguentando mais ele disse:

– Vem aqui sua safada.

Me botou de costas na mesa, abriu bem as pernas e me puxou encaixando gostoso, que pau delicioso, que homem peludo e gostoso, cruzei a minhas pernas em sua costa, como eu pensava quando me masturbava ele meteu forte que até ardia, depois me botou de quatro e mandou ver de novo.

– Toma, sua putinha, é isso que queria.

– Isso…hum…..ahn……mete gostosão. come sua putinha.. ai,ui,ai,ui.

Até que ele me surpreendeu:

– Quero o cuzinho.

– O que? Só meu marido comeu meu cuzinho até hoje.

– Ah é? Melhor ainda.O corno não vai se importar.

Fingi que resistia, mas não resisti ele botou aquele cacetão e doeu muito, então ele ficou um tempo com ele parado, enquanto me elogiava:

– Putinha..Biscate… Adora levar ferro,né? Adora levar no cuzinho.

– Sim, sou sua putinha, adoro pica, come esse cuzinho, mete com força, ai.

Ele começou o vai e vem e logo comecei a sentir um enorme calor, o que senti dai para frente foi indescritível, só quem passou por isso sabe, eu babava pela buceta, ele enfiava o dedo, fiquei tão molhada que escorria pelas pernas, gozei demais e ele não parou, pareceu que ficamos dias ali, e eu não queria parar.

-Não para, vai mete gostoso, esse cuzinho é todo seu.

Depois que gozei muito, ele finalmente anunciou que ia gozar e encheu meu cuzinho de porra.

-Delicia de cuzinho.

Ele deu uma só como meu marido, masssssss, uma que valeu por várias.

Me limpei o máximo que pude, e fui embora, chegando em casa o corninho tava possesso.

– Onde você tava sua, sua, sua….

– Puta?

– Tava onde?

– Na casa da Valquíria.

-Fazendo o quê?

Bom, muita discussão e ele claro não engoliu a desculpa, pouco depois eu vejo meu mecânico gostoso chegando na casa dele todo feliz.

Quase contei pro Fábio que ele mesmo pediu para eu dar para o Carlos, mas com certeza o corninho já tinha mudado de ideia e tava muito ciumento.

Continuei dando para o mecânico, e o corninho desconfiando.

O Roberto? Na virada daquele ano enquanto o corninho enchia o rabo de cachaça, fui com uma prima até próxima a casa do Roberto, dei um toque em seu celular ele estava pronto para sair, mas me recebeu, minha prima ficou na sala enquanto eu matava a saudade de meu verdadeiro macho.

Um mês depois Roberto se mudou de cidade.

Até que belo dia Fábio me vem com essa.

– Um amigo me arranjou um bom trabalho em outro estado, nos vamos para lá daqui a 2 meses.

Bom, meti muito com o Carlos durante esse tempo e disse que quando viesse transaríamos muito.

Fomos para Santa Catarina.

Continua…


*estou republicando esse conto aqui depois de quase 10 anos do ocorrido, pois perdi a senha da outra conta.
Desde essa época muita coisa mudou, me separei e depois voltei com o Fábio, algum tempo depois ele se mostrou um verdadeiro corninho, pois me confessou que sentia tesão em imaginar eu com outro e até se masturbava pensando nisso, disse que sonhava em me ver transando com outro na frente dele. eu já tinha contado pra ele sobre minhas transas com outros caras antes de nos separarmos, então ele veio com várias ideias, queria que eu retomasse o contato com o Roberto, queria que eu seduzisse um primo dele, me convidou para ir a uma casa de swing, bom, criamos um Face fake e depois um cadastro no D4 Swing e no Sexlog, mas nosso primeiro ménage, na verdade eu transei com o cara enquanto ele filmava, foi com um cliente do restaurante onde eu trabalhava, contarei no próximo conto.

Hoje em dia estamos abertos a quem se interessar, gosto muito de transar e meu maridinho me libera facinho…hehe

Estamos morando atualmente em Itapetininga, interior de São Paulo.

Alguém se interessa? Adoraria mandar umas fotinhos minha pra vocês e quem sabe…

Leia mais contos de cornos

Compartilhe com seus amigos:

11 comentários em “Como me tornei uma putinha”

  1. Ia haver um casamento na igreja antes começa .agente tava dando o último retoque no altar com flores arrango… aluz faltou ficou tudo escuro éla me agarrou me abraçou dizendo que tinha medo do escuro. EU sentia aquele imenso volume da testa da buceta dela roscando na costa da minha mão. O vestido dela estampado bem molinho EU fiquei bastante curiosa para saber se era mesmo a buceta dela virei a palma da mão bem devagarinho o vestido bem molinho eu sentia À buceta dela bem enxada enchia a minha mão.. precionava o meu dedo bem devagarinho empurrando bem devagarinho enti a cabeça do meu dedo entre os lábios da buceta dela. Poucos minutos tirei a mão abracei ela pegando por cima da bunda dela eu sentia À marca da calcinha no Rêgo dela… . Logo aluz retornar teve o casamento depois um festinha com lanche. Eu tava na mesa sozinha ela vei deixar um pedaço de bolo me dano cheirinho e beijinho eu perguntei no ouvido dela se ela gozava… disse que sim. Me perguntou se eu chupava buceta…. disse pra ela q eu tenho vontade….as 23 hrs agente vinha no carro ela me pedi para vim dormi em casa comigo como sou evangélica tbm não teve problema… quando nós entramos mal fecho a porta ela pulou no meu pescoço me beijando .puta linda evangélica safada virgem buceta gozadeira bem papuda bem enxada os pêlos ásperos e cheirosa o redondinho do ku dela bem rosinho guloso engulio o meu dedão todinho coisa da vida minha primeira vez no alto lesbico por curiosa

  2. Eu li tbm o relato…. comigo tbm não diferente não.. ela sempre adorava ta por casa as vezes fazias as coisa judava na limpeza… adorava assistir filmes.. éla é linda pernas grossas bunda arrebitada cabelos longos buceta gostosa os lábios da buceta dela parece com 2 Gomes de laranja bem enxada bem cheia. Os mamilos igual duas maçãs.
    Os olhos dela de puta safada vadia gostosa. Ela sempre foi carinhosa tinha afinidades na época o meu marido saia pela manhã bem cedo. Quando ele saia eu ia fazer a limpeza na frente de casa limpava o esgoto.. ela vei pela primeira vez sentou na calada. Falando EU vim tomar café…. nós entramos ainda com a roupa de dormir uma camisa … ela senta na cadeira levanta as pernas ficou bem avontade com as pernas arreganhada. O fundo da calcinha linda bem socadinha no Rêgo aquele volume gostoso por trás da calcinha dela os lábios da buceta dela querendo sair fora EU dei o café dela sentei na cadeira quase de frente trocava papo olhando passava a vista.. depois do café ela foi pr casa dela… ano depois eu me separei do meu marido.. ele me troca por outra… domingo pela manhã tava lavando a casa.. tava só de camiseta .. ela entra. Na quela fulia … se molha com a mangueira.. Eu ja ia fazer um mês de separada sem fuder… quando eu fui pr o banheiro ela vem… tira a roupa nós nuas no chuveiro.. depois do banho na cama sentada.. Eu passava a escova no cabelo dela.. ela segurou minha mãos pedi para da cheiro nela.. Eu perguntei pq… Eu dei um cheiro nela sem maldade… quando foi na sexta teve um roubo na casa da minha vizinha no sábado foi o aniversário dela tava no aniversário dela… quando foi as 22 hrs vinha embora a mãe dela manda ela vim dormi em casa comigo me fazendo companhia…ela se só de calcinha na cama… ela passou pr cima de mim me cheirando dano beijinho por cima da minha boca… ela me disse. Vou te contar um segredo….. Eu disse vai falar.. a minha professora ja me chupa várias vezes. Eu perguntei se ela gostou… me disse que mãe dela fudia do lado dela….. Eu perguntei se ela gosta de mulher ou de homem…. ela me disse que é homem que ela gosta., eu peguei pq ela deixava a professora chupar ela….. ela me disse pq era bom.. Eu perguntei se ela via o pau dele disse que sim. Ficamos mas amiga mas confidente

  3. Este site de contos é massa. Adoro sexo bem explícito. Sou o baiano gostoso. Vem mulheres carentes estou aqui me chama pra eu dar prazer. 11968116831

  4. Procuro mulher que goste de fazer inversão no sexo.
    sou homem machão que na intimidade usa calcinha e enfia consolos no meu cu

Deixe uma resposta