Conto Erótico Privê | xltrade.ru //xltrade.ru Contos Eroticos, Incesto, Traição, Fetiche, Pornô, Sexo Gays e mais. A maior comunidade Erótico do Brasil. Clique aqui e Aproveite. Sat, 18 Jul 2020 22:51:39 +0000 pt-BR hourly 1 /> //xltrade.ru/aphroditeporntube/wp-content/uploads/2019/07/cropped-contoeroticoprive-1-32x32.jpg Conto Erótico Privê | xltrade.ru //xltrade.ru 32 32 Surpresa gostosa na praia . | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/surpresa-gostosa-na-praia/3724/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=surpresa-gostosa-na-praia //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/surpresa-gostosa-na-praia/3724/#respond Sat, 18 Jul 2020 22:51:38 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3724 Sou um cara de hétero, sempre tive muitas namoradas… Porém, me pego as vezes tendo fantasias com travestis, ou até com outro homem… Não sei bem o que deixaria acontecer na hora, mas… Sinto desejos ocultos e me masturbar é bem diferente.

Vamos ao fato. Estava andando pela praia a noite, sem rumo certo.. qdo me apareceu um cara que eu já tinha o visto por ali e me pediu cigarro, falei q não tinha e ele me respondeu com um gesto de “boquete” e na hora eu só consegui responder. Só isso? Nada mais??.
Ele me olhou e disse, tudo q vc quiser.

Fomos p um terreno em frente a praia que ele cuidava e dormia. Chegando lá, já foi abaixando minha bermuda e caiu de boca, e como chupava gostoso… Mais gostoso que uma boca de mulher, e se não começa a se masturbar , me olha como uma putinha, e pede… Goza na minha boca p eu sentir seu gosto!? Rapidamente, eu atendi seu pedido.eu nervoso e assustado com tudo aquilo, subi minha bermuda e fui saindo sem nem ao menos, agradecer.

Leia mais contos gays

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/surpresa-gostosa-na-praia/3724/feed/ 0
Dinheiro na mão cueca no chão | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dinheiro-na-mao-cueca-no-chao/3720/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=dinheiro-na-mao-cueca-no-chao //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dinheiro-na-mao-cueca-no-chao/3720/#respond Thu, 16 Jul 2020 02:30:01 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3720 Olá meu nome é Fernando, tenho 22 anos, sou de Curitiba PR. Sou o tipo de garoto alternativo, moreno claro, 1.80 de altura, tatuagens e cabelo no ombro, já fui modelo mas hoje trabalho com outros hobbies.

Tudo começou quando Comecei a me exibir mais no Twitter, fotos e vídeos sensuais, até receber propostas…

Um certo admirador comprou meu conteúdo e sempre pedia mais, ele pagava para mim fazer fotos e vídeos do jeitinho que ele queria, e lógico eu fazia. Ele começou a me mimar de mais e instigar se eu toparia conhecer ele, isso nunca passou por minha cabeça, enrolei um tempinho mas acabei aceitando.

Marcamos dele vir me buscar para passar um final de semana com ele, ele pagaria para mim passar esse tempo com ele, ele gostava de me mimar e queria me ver feliz.

Ele era um rapaz de 32 anos, estilo nerd, era até bonitinho, mas o que mais me surpreendeu foi o tamanho da rola, tinha uns 20cm super grosso, com as veias bem marcadas.

Ele me dava dinheiro e mandava eu fazer algo, e eu tava amando a brincadeira, começou com a mão no pau dele enquanto dirigia, depois chupando o pau dele, até chegarmos na casa dele.

Fomos direto para o quarto onde ele me dava a grana e pedia para mim tirar a roupa, pediu para mim ficar de quatro na cama, pois queria chupar meu cuzinho, e nossa ele chupava com tanto gosto que eu gemia de tesão, começou a deixar meu cuzinho, eu louco para sentir aquele pauzao em mim.

Ele deitou na cama e pediu para mim mamar, deixar bem molhadinho pra depois sentar, Fiz o que ele mandou, adoro obedecer macho, ainda mais quando está mimando o filhote hehe.

Fodemos muito bem gostoso até ele gozar no meu cuzinho. Essa foi apenas a primeira foda desse final de semana quente que tivemos. Mantemos contato até hoje, sempre faço o que ele pede, como diz o ditado, dinheiro na mão cueca no chão.

Pra quem quiser meu contato, só mandar um e-mail para

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dinheiro-na-mao-cueca-no-chao/3720/feed/ 0
Dei como louca em Morro de São Paulo parte 1 | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dei-como-louca-em-morro-de-sao-paulo-parte-1/3717/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=dei-como-louca-em-morro-de-sao-paulo-parte-1 //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dei-como-louca-em-morro-de-sao-paulo-parte-1/3717/#comments Sat, 11 Jul 2020 04:05:28 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3717 Oi gente, me chamo Claudia, tenho 28 anos e pretendo compartilhar com vocês experiências reais que costumo viver. sou professora em Salvador e por conta da minha profissão e de uma família conservadora sempre sou recatada nos relacionamentos, tenho um noivo a algum tempo mas não consigo me satisfazer plenamente com ele por isso sempre nas férias viajo pra algum lugar diferente onde eu posso revelar minha verdadeira personalidade e soltar a Puta que tenho dentro de mim, nestes momentos deixo de ser Claudia, a professorinha comportada conservadora e evangélica e viro Cacau a pró facinha e devoradora de homens. Esta estória ocorreu em Morro de São Paulo, Bahia e acreditem é absolutamente real. era início de janeiro de 2019 e eu tinha entrado de férias, resolvi desta vez não sair da Bahia e escolhi ir pra Morro pois é perto de Salvador mas tem pouca gente daqui, a maioria dos visitantes são de longe não havendo risco de me expor ou encontrar conhecidos, comprei roupas pra ocasião bem diferentes do que costumo usar no dia a dia: shortinhos, vestidinhos tomara que caia, calcinhas minúsculas e um biquíni fio dental vermelho que só deixava a poupa do bumbum à mostra, sou morena jambo quase mulata, cabelos nos ombros. 1.64 m, bunda arrebitada e redondinha, seios fartos e um sorriso fácil e sedutor, deixei Roberto meu noivo em Salvador pois estava trabalhando e tem total confiança em mim, reservei vaga em um hostel para cinco dias e ao entrar no catamarã, como se fosse possuída por Cacau deixei Claudia na cidade. Cheguei ao hostel fiz o check in fui pra o quarto coletivo misto e logo procurei me ambientar, havia muita gente de fora, israelenses, argentinos, alemães, o clima era de juventude alegria e descontração, vesti meu biquíni minusculo, um vestidinho de alça por cima, e como era sedo decidi ir á praia do encanto a mais distante fazer uma caminhada. Havia pouca gente na areia, estendi uma toalha, tirei o vestido e me deitei de bruços com o bumbum pra cima aproveitando o sol ameno que me deixou sonolenta e cochilando e foi nesta preguiça que escutei a voz de alguém: Hola, desculparme,puedo dejar mis cosas com você enquanto me meto en água? falou num portunhol aquele carinha me deixando paralisada e sem voz, era um moreno, alto, muito musculoso com uma carinha de bebê e um lindo sorriso. Cla, cla… claro pode sim, respondi gaguejando em quanto ele largava a mochila ao meu lado e correndo mergulhava no mar.

Fiquei olhando cheia de malícia sentada na areia e passando bronzeador no corpo aquele homem gostoso que logo retornou do mar : Esta fria la água muchas gracias, me chamo Diego se apresentou. Sou Claudia de Salvador mas pode me chamar de Cacau, da onde você é ? perguntei: Buenos Aires, Argentina, estou acá de ferias, soy instrutor de musculacion e necessito descanso e você Cacau? Eu? eu sou professora também tô de ferias. Conversa vai, conversa vem, eu continuava a passar bronzeador na pele e vendo minha dificuldade em alcançar as costas, Diego logo se ofereceu: Puedo ajudar? aceitei de pronto e deitada de bruços fechei os olhos enquanto aquele gato deslizava mãos fortes e enorme pelas minhas costas e pernas, de repente Diego começou a massagear meu bumbum lentamente, fazia movimentos circulares e de olhos fechados eu sentia um misto de tesão e vergonha pois sabia que com o fio tão enfiado ele conseguia com o movimentos das mãos ver meu ânus. Isso durou cerca de 10 minutos e quando eu já estava relaxada Diego pediu desculpas pois tinha que encontrar a namorada que ficou na pousada. Aquela notícia foi um balde de água fria mas ele pediu pra que a noite eu fosse a sua pousada onde haveria uma festa e eu poderia me entrosar já que estava sozinha. Na despedida ele me deu um beijo que deveria ser no rosto mas escapou pra boca e me olhando com cara de safado me disse: até mas tarde. Passei o resto do dia pensando em Diego que tesão de garoto, 22 anos…às 20h eu já estava pronta pra festa: Micro calcinha que meu bundão engolia, um shortinho jeans mostrando a polpa do bumbum, bustiê vermelho de crochê sem sutiã, uma CACHORRA!

a pousada não era longe e ao chegar o ambiente era festivo, com muita gente bonita, bebidas e musica eletrônica. Claro que chamei atenção dos homens e alias tinha cada gato! peguei uma caipirinha e logo comecei a dançar, a meia luz, remexendo o corpo de forma lasciva, procurava Diego mas não o via e na terceira bebida um visão de luxúria pairou na minha frente: Um lindo gato loiro se aproximou puxou minhas mãos e começamos a dançar, era italiano e se chamava Mateo, quando o ambiente ficava escuro colava o corpo no meu dizia coisas no meu ouvido, ás vezes enfiando a língua na minha orelha, eu que já estava alta só sorria, nos beijávamos selvagemente, ele tinha lábios carnudos e vermelhos, olhos verdes penetrantes e eu sentia seu volume quando nos abraçávamos. De repente Mateo me pegou pela mão me levando para uma área externa e escura, paramos debaixo de uma árvore onde a lua deixou seu rosto ainda mas bonito, nos pegávamos feito loucos, Mateo apertava minha bunda enquanto enfiava sua língua em minha boca, por debaixo do shortinho dava dedadas em minha buceta e ás vezes no meu cú me causando cócegas, de repente levou minha mão até sua bermuda, onde havia um pau enorme e duro, grosso, pulsando, Mateo abriu o ecler e colocando aquele rolaço pra fora me fez masturba-lo, eu obedecia como uma puta, me puxando pelo cabelo me fez ficar de joelho e mamar aquela tora, eu chupava como doida, a cabeçorra vermelha mau cabia em minha boca, ele batia com ela na minha cara e as vezes me dava tapinhas no rosto, eu possuída babava na rola falando: Ai MATEUUU!!! de repente senti um jato quente esporrando na minha cara, meu rosto totalmente lambuzado de porra revelava a vagabunda da Cacau, pedi licença para ir ao banheiro me lavar e quando dei de costas levei um tapa na bunda. Me lavei ainda com as pernas tremendo e quando saí do toalete dei de cara com Diego: Oi Cacau. mas esta é uma outra história

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/dei-como-louca-em-morro-de-sao-paulo-parte-1/3717/feed/ 2
ESPOSA DE MANAUS ADORA DAR A BUNDA PELO BRASIL | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/esposa-de-manaus-adora-dar-a-bunda-pelo-brasil/3715/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=esposa-de-manaus-adora-dar-a-bunda-pelo-brasil //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/esposa-de-manaus-adora-dar-a-bunda-pelo-brasil/3715/#comments Thu, 09 Jul 2020 02:08:14 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3715 Bom dia, meus amores. Sou uma casada com corno e adoro chifrar meu marido. Com machos de todo Brasil, já que viajamos muito. E ele é mansinho e conformado

Meu corninho é apaixonado pela minha bunda e eu adoro dar o rabo. Tenho uma bunda que chama atenção e a uso demais mesmo. Mas até então eu pensava que a loucuras dos machos por bunda era simplesmente colocar a pica e foder. Não é mesmo. É um absurdo a quantidade de fetiches que existem com bundas.

Eu via isso nos filmes, fotos e contos do site de Selma, mas confesso que achava ser muita criatividade e até ficção. As não é. Tem muito cara louco por bunda, por desejos fora do considerado normal. E são pessoas importantes, de todo Brasil. Bem como pessoas super humildes e legais. Mas, para suas famílias e amigos, eles não abrem o jogo. Gosto muito de viajar com meu corno e ele me libera, enquanto participa de reuniões chatas. Sempre marco nos hotéis onde fico ou mesmo numa praia. Avalio meus novos amigos pelo nível intelectual que ele mostra em seus textos e clareza de ideias, no chat. Enquanto o corno está fora, conheço na praia e depois vamos ao meu quarto. Claro que os gerentes olham desconfiados. A mulher se hospeda com o marido e todos os dias traz dois ou três machos para o quarto. Que se dane. Meu marido adora saber que corre o boato que ele é corno. E sei que todos os machos querem foder minha bunda morena. Principalmente de quatro, toda aberta. É preferência de mais de 90%. Outra preferência é tirar de minha bunda e gozar dentro de minha boca. Os machos gostam dessa putaria. Nem se importam com a porra do cheiro e gosto da pica, quando sai de dentro da bunda. Eu que me lasque, chupando e engolindo esperma. Mas alguns pedidos são demais. Veja essa foto eu na praia, com chapéu. Nesse dia passei a manhã com meu corno aqui. A tarde ele saiu e recebi novo amigo. Mas tem um detalhe. Nessa foto estou com a bunda cheia de chocolates, que o macho pediu. Lotei meu reto com chocolates e fui a praia, para eles derreterem dentro. Vi um tal de Daniel fazer isso com Selma e achei ser montagem. Mas esse amigo pediu. Passei a manhã toda assim, na praia. Olhem para mim e imaginem que estou com o rabo achocolatado.

E aquelas porra derretendo lá dentro. Meu marido saiu e o amigo chegou por volta das 14 horas. Confirmei que ainda estava com aquela porcaria toda no ânus. Pensei que ele iria querer ver-me colocar aquela nojeira para fora. Certamente não sairia somente chocolate. Mas ele pediu na boca. Impressionante. Avisei de que podia não sair somente chocolates derretidos. Ele falou que estava torcendo por isso mesmo. Fiquei sem saber o que falar, mas topei. Ele deita no banheiro e abre a boca. Encaixo meu ânus nela e aquele filho da puta seria meu vaso sanitário. E despejei aquela porcaria na sua boca. Pensei que ele ia colocar para fora. Só o cheiro me dava náuseas. Mas o filho da puta comeu tudo. Tudo. Tudo, gente. E gozou somente nisso, sem foder meu cu nem nada. Imagina. O foda é que no Nordeste temos um amigo que sempre pede para nos ver. Não é para foder minha bunda. Pede que eu peide em sua cara para ele se masturbar e gozar. Verdade. Mas gosto mesmo é de ser possuída de quatro, por um macho socando em minha bunda, falando que sou uma casada puta e que meu marido é corno manso. Ah, sempre filmo tudo, para postar. Sem mostrar rostos. Se quiserem, entrem em contato comigo no chat que tem no site de Selma. Luana de Manaus

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/esposa-de-manaus-adora-dar-a-bunda-pelo-brasil/3715/feed/ 1
Minha sobrinha virou minha amante | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/minha-sobrinha-virou-minha-amante/3711/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=minha-sobrinha-virou-minha-amante //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/minha-sobrinha-virou-minha-amante/3711/#comments Tue, 07 Jul 2020 01:02:08 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3711 Tenho 42 anos e minha sobrinha 30. Ela é casada e eu também. Nós não tínhamos muito contato, na verdade o contato era quase zero. No entanto eu comecei a prestar atenção nas fotos que ela postava no facebook e comecei a ver como minha sobrinha era linda e tinha um corpão maravilhoso. Foi então que comecei a mandar mensagens para ela e assim começamos a trocar mensagens, porém nada fora do normal entre tio e sobrinha. Um dia ela falou que viu umas fotos minhas, de umas viagens que fiz, e disse que também gostava de viajar, principalmente para praia, então eu disse que poderia levá-la comigo qualquer dia, porém só iria eu e ela, pois iríamos de moto. Ela falou que iria sim, pois como éramos tio e sobrinha não teria problema nenhum. Aí eu disse a ela que, como ela era uma mulher muito bonita, teríamos de andar de mãos dadas para que ninguém a paquerasse, e que de vez em quando teria que lhe dar um beijo também. Aí ela falou que não via problema de eu lhe dar um beijo no rosto e andarmos de mãos dadas, só que eu falei que para parecermos namorados de verdade e nenhum homem dar em cima dela o beijo teria que ser na boca. Ela disse que na boca não podia, pois era minha sobrinha, só se fosse um selinho. Eu disse que tudo bem se fosse só um selinho, porém eu sabia que não iria me controlar e iria lhe dar um beijo de língua. Foi aí que ela começou a se abrir e dizer que às vezes me olhava não como tio, mas sim como homem e que sentia esse mesmo desejo de me beijar.
Continuamos essa conversa por vários dias, cada dia a conversa ficando mais quente, até que um dia eu fui ao trabalho dela e me ofereci para levá-la em casa, assim que ela largasse. Ela aceitou e no horário marcado eu fui buscá-la de moto. Saímos e quando ela se agarrou em mim eu falei que estava louco para beijá-la e desviei o caminho, peguei uma estrada que era um pouco deserta e como já estava escurecendo parei em um local escuro, tirei meu capacete, ela tirou o dela e sem perder tempo taquei-lhe um beijo em sua boca e ela correspondeu. Meu coração disparou, meu pau ficou latejando de tão duro, mas aí ela falou que teríamos que ir, pois poderia passar alguém e nos reconhecer. Fomos embora, mas começamos a planejar um dia para nos encontrarmos mais a vontade.

Um dia ela me falou que iria até a cidade vizinha resolver umas coisas e que eu poderia ir encontra-la lá se quisesse. Não pensei duas vezes e disse que iria sim. Na hora e local marcado eu fui buscá-la. Desta vez fui de carro, pois seria melhor para entrarmos no hotel sem corrermos o risco de algum conhecido nos ver. Entramos no hotel, ela falou que estava nervosa, por dois motivos: Um era por nunca ter traído o marido e o outro era por eu ser o seu tio. Eu a abracei e nos beijamos. Comecei a tirar sua roupa e ao mesmo tempo lamber todo o seu corpo. Em certo momento eu já estava nu e ela também, porém ela se afastou e disse que aquilo não era certo, que era pecado. Aí eu falei que pecado era estarmos ali, pelados, um desejando o outro e não fazer nada. Ela concordou e veio para cima de mim novamente. Pegou no pau, que estava quase explodindo de tão duro, e começou a chupar. Fui ao delírio, minha sobrinha chupando meu pau. Meu sonho estava sendo realizado. E como ela chupa gostoso. Depois ela deitou e eu fui chupar sua buceta. Que buceta linda, bem lisinha, que delícia. Após chupar a buceta da minha sobrinha era a hora de enfiar meu pau dentro daquela buceta. Meu coração estava a mil, o dela também. Porém eu notava que ela não estava a vontade. Olhei nos olhos dela e comecei a enfiar o meu pau em sua buceta. Senti aquela buceta toda molhadinha, quentinha, que delícia. Que tesão. Eu estava fazendo sexo com minha sobrinha, tudo o que eu mais desejava. Tive que me controlar o máximo possível para não gozar muito rápido, pois o tesão era enorme. Pedi para ela ficar de quatro, dei uns tapinhas naquela bunda gostosa e voltei a enfiar meu pau em sua buceta. Não demorou muito para que eu gozasse, por mais que tentei segurar o tesão foi mais forte. Que gozada maravilhosa, cheguei até a tremer. No entanto ela não tinha gozado e como nosso tempo era curto, tivemos que ir embora. Ela falou que estava tensa, não conseguiu relaxar, por isso não gozou. Falei que era normal, pois realmente era difícil para ela trair o marido logo com seu próprio tio, mas que da próxima vez ela estaria mais relaxada.

Depois desse dia ela começou a me evitar, mal respondia minhas mensagens. Eu louco de saudades dela, doido para vê-la novamente, porém ela me evitava. Após um ano sem conseguir convencê-la a nos encontrarmos novamente, surgiu uma ótima oportunidade. Uma viagem em família. Um final de semana juntos, o marido dela não iria, lá teria bebidas alcóolicas, ela não iria resistir. Seria minha última cartada. Em certo momento da noite, quando todos já tinham bebido o bastante, inclusive ela, eu a chamei para irmos dar uma caminhada. Ela aceitou. Fomos conversando até que passamos em rua escura e eu a agarrei e dei-lhe um beijo. Nos beijamos por alguns minutos até ela pedir para voltarmos. Quando íamos saindo eu a peguei pelo braço, olhei em seus olhos e disse que estava apaixonado por ela e que não conseguia parar de pensar nela um segundo se quer. Ela ficou sem reação. Voltamos para perto do pessoal. No outro dia foi ela quem me chamou para irmos andar um pouco. O pessoal estava bebendo em um bar e fomos para o hotel onde estávamos hospedados. Entramos no quarto e começamos a nos beijar. Comecei a tirar a roupa dela. A tensão era enorme, pois corríamos o risco de alguém chegar. Mas quanto maior o risco, maior o tesão. Ela pediu para que eu fosse rápido e não me preocupasse se ela ia gozar ou não. Após chupar sua buceta que estava toda molhadinha, enfiei o pau e mais uma vez lá estava eu comendo minha sobrinha. Que tesão maravilhoso. Certo momento ela falou uma coisa que me levou a loucura. Ela disse: Vai titio, fode tua sobrinha, goza gostoso na buceta da tua sobrinha, enche a buceta da tua sobrinha com o teu leitinho. Foi demais, não aguentei e gozei. Que sobrinha maravilhosa, safada e estava se tornando a minha puta. Eu sempre quis ouvir isso dela, era meu sonho, mas ainda não havia falado isso a ela, parece até que ela leu meus pensamentos.

Ao voltarmos da viagem, começamos a planejar nosso próximo encontro. Dessa vez ela queria tanto quanto eu. Marcamos no horário do seu almoço. Fui pegá-la e fomos a um hotel. Ela já estava mais a vontade. Ao entrarmos no hotel, ela pulou em meus braços, começou a me beijar e disse: Ai titio, como eu estou com saudades do seu pau, quero gozar gostoso no pau do meu titio. Meu pau quase explode. Joguei-a na cama, tirei sua roupa e comecei a beijar seus seios, fui descendo até aquela buceta maravilhosa, tirei sua calcinha com a boca e comecei a chupá-la. Dessa vez com mais calma, pois tínhamos um pouco mais de tempo. Enfiei minha língua naquela buceta, até que em certo momento ela falou: Ai titio, tua sobrinha vai gozar na tua boca. Isso, titio continua. Tua putinha vai gozar. E começou a gemer, se arrepiou todinha, senti seu corpo tremendo de prazer. Aí respirou um pouco para relaxar e perguntou: Quer que eu chupe seu pau, titio? Eu disse que sim, aí ela disse: então peça. Eu falei: Vem chupar o pau do teu tio, minha sobrinha safada, minha putinha. Chupa bem gostoso. Ela começou a chupar, babou meu pau todinho. Eu pedi para ela cuspir no meu pau, ela obedeceu e cuspiu, deixou o pau todo lambuzado. Pedi para ela sentar no meu pau. Ela perguntou de quem era aquele pau, eu falei: é todo seu, minha sobrinha, o pau de titio é todinho seu. Ela sentou gostoso, começou a rebolar. Esforcei-me o bastante para não gozar, queria que ela gozasse novamente. Ela pediu para que chupasse seus peitos enquanto ela rebolava no meu pau, e como ela rebola gostoso. Chupei os peitinhos dela e pedi para ela gozar novamente. Comecei a falar no ouvido dela: Goza minha sobrinha, goza no pau do seu tio, goza minha putinha, goza nesse incesto gostoso com o seu tio, foi quando ela falou: Ai, titio. Tua sobrinha vai gozar de novo. Ai, titio. Tua putinha está gozando no teu pau.

Depois que ela gozou novamente, pedi para ficar de quatro e enfiei o pau em sua buceta com bastante força. Puxei os cabelos dela, disse que eu era o dono dela, o macho dela e ela era minha puta. Depois disse que queria gozar na boca dela, ela disse que não, pois nem seu marido fez isso. Eu insisti que era um sonho gozar na boca da minha sobrinha, aí ela aceitou. Disse que quando estivesse perto de gozar eu avisasse a ela. Continuei socando o pau em sua buceta, puxando seus cabelos e enchendo a bunda dela de tapas, quando estava quase gozando, falei: Vira e abre a boca puta safada, abre a boca e coloca a língua para fora, teu tio vai gozar em tua boca. Ela virou rapidamente, se ajoelhou em minha frente e disse: Vem titio, goza na boca da tua sobrinha, me dá leitinho, aí abriu a boca e colocou a língua para fora. Gozei gostoso, as pernas tremeram. Enchi a boca da minha sobrinha de esperma. O esperma escorreu pelo canto de sua boca, aí quando meu pau parou de jorrar leite na boca dela eu falei: agora chupa o pau do teu macho, vai minha putinha. E ela chupou meu pau com sua boca cheia de esperma, lambuzou meu pau todo, depois lambeu todinho. Depois desse dia passamos a ser amantes. Sempre nos encontrando para fazermos um incesto maravilhoso. Minha sobrinha é uma verdadeira puta e o melhor é que é a minha puta. Ela diz que enlouquece quando estou com o pau em sua buceta e puxo os cabelos dela com força e digo que sou o macho dela, que sou o seu dono e que ela é minha puta. Eu também fico louco de tesão quando digo isso a ela e quando ela diz que é minha putinha. Nosso sexo é do começo ao fim com bastante intensidade e eu a chamando de minha sobrinha puta e ela me chamando de titio, que eu sou o seu macho e seu dono.

Até hoje somos amantes. Já fizemos quase tudo que podemos imaginar, o que ainda não fizemos foi sexo anal, mas ela já disse que um dia vai me deixar enfiar meu pau no cuzinho dela. Já gozei dentro da buceta da minha sobrinha e também na boca dela, falta gozar no cuzinho dela.
Apesar das dificuldades para nos encontrarmos, já fizemos sexo na minha cama, na cama dela, em vários hotéis, já passamos uma noite juntos em um hotel e assim vamos vivendo esse romance louco, esse incesto gostoso. Que a cada encontro tornasse mais intenso, mais gostoso e que eu desejo que seja para sempre. “Minha sobrinha eu quero que você seja minha putinha para sempre”.

 

Leia mais contos eroticos incesto com sobrinha

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/minha-sobrinha-virou-minha-amante/3711/feed/ 1
Professor gostoso | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/professor-gostoso/3709/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=professor-gostoso //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/professor-gostoso/3709/#respond Wed, 01 Jul 2020 10:56:58 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3709 Olá meu nome é Ana tenho vinte anos e curso história na Universidade Federal, sou morena de cabelo cacheado e tenho 1.55 de altura, peso 55 kg, tenho pernas grossas e cintura fina e longos cabelos cacheados, e pele negra, gosto muito de moda então me visto muito bem, quando já estava no meio do segundo período do curso entrou um novo professor, um homem alto de no máximo 40 anos, cabelos grisalhos e com um corpo malhado, a princípio achei ele arrogante mas conforme o tempo foi passando comecei a gostar mais das aulas dele, ele incentivava o debate e suas aulas eram sempre muito animadas, com o tempo nos tornamos amigos, numa sexta-feira quando faltavam poucos minutos para acabar a aula fui até a mesa dele tirar uma dúvida e perguntei qual era a boa pro final de semana, ele me olhou nos olhos e falou ainda não sei, pra onde vamos?

Eu fiquei arrepiada, tentei disfarçar e disse que teria em minha casa uma festinha algo íntimo, só uns amigos mesmo, você está convidado, vou te mandar o endereço, ele perguntou se eu ia direto para casa e se poderia ir comigo pois sua moto estava na revisão, eu respondi rápido desviado o meu pensamento, sim claro, se quiser passamos na sua casa, caso queira deixar suas coisas, ele concordou. Acabou a aula fomos para o estacionamento, fomos até meu carro um fusca azul bebê lindo, ele deu risada
Eu: do que está rindo? É um ótimo carro, nunca me deixa na mão e é fofo.
Ele: me desculpe, não ri por “mal, mas esse carro é a sua cara, e é um fetiche meu fazer foder dentro de um fusca.”

Eu fiquei nervosa e molhada, entramos no carro e começamos a conversar, chegamos no seu prédio e eu resolvi esperar no carro, porque sabia que se subisse poderia acontecer algo, ele demorou uns dez minutos, desceu cheiroso e muito bem vestido, fomos para minha casa, eu dividia a casa com duas amigas, era uma casa pequena de três quartos e um grande quintal que decoramos com pisca-pisca e sofás de pallet, eu servi uma bebida e fui me arrumar e as meninas foram junto.

Marisa: você trouxe seu professor gostoso?
Eu: ele meio que se convidou
Luana: ele está afim de você!
Eu: logico que não! Você acha?
Luana: vamos falar para ele que você está chamando ele, espera aí.

Eu usava uma saia longa com fendas e por baixo um lingerie vermelha, ele entrou no quarto e trancou a porta, me encontrou sentada na cama com uma taça de vinho na mão, ele já tinha entendido o que eu queria. Se aproximou de mim pegou minha taça e colocou na penteadeira, me deitou na cama e pediu que eu ficasse de bruços, me virei ele tirou minha sai e tirou do bolso um pequeno frasco com óleo corporal, começou massageando meu pescoço e passou para as costas e deslizou ate a minha bunda foi massageando e beijando, abriu minhas pernas e começou a massagear meu íntimo ainda por cima da calcinha, já estava me contorcendo de prazer quando ele afastou minha calcinha e me chupou me fazendo gozar, ele se levantou e tirou a roupa, deitou sobre meu corpo e introduziu seu pênis enorme dentro de mim, socava com força, quando pedi pra ir mais devagar ele se levantou pegou seu sinto e mandou que eu ficasse de quatro pra ele, colou o sinto em meu pescoço como se fosse uma coleira e puxou com força e meteu de uma vez em mim, se eu pedisse pra ir mais devagar batia na minha bunda e dizia que eu tinha que fazer o que ele quisesse porque eu era a putinha dele, depois de longos minutos me fodendo com força demonstrou que iria gozar, me virou pra ele e me fez chupar aquele caralho enorme, eu chupei até que ele encheu minha boca com seu leite e me ordenou que engolisse, quando achei que já tinha terminado ele me jogou na cama e subiu encima de mim e me fez gozar como louca socando e apertando meu pescoço.

Fomos para o banheiro e ele lavou meu corpo e dedou me fazendo gozar, nos vestimos e fomos para a festa, depois disso engatamos um romance quente com direto a sexo no estacionamento da faculdade e no banheiro de um barzinho.

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/professor-gostoso/3709/feed/ 0
Transformação da minha esposa o início | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/transformacao-da-minha-esposa-o-inicio/3707/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=transformacao-da-minha-esposa-o-inicio //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/transformacao-da-minha-esposa-o-inicio/3707/#comments Tue, 30 Jun 2020 17:19:20 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3707 Eu me chamo Marcos sou descendente de japonês ( neto de japonês ) e moro no Japão a 26 anos, vim para o Japão quando tinha 24 anos e agora tenho 50 anos. Pretendo contar com a Lucy se tornou uma mulher que adora o sexo sem tabus.


A Lucy minha esposa também é descendente de japonês, os pais dela são japoneses, eles casaram no Japão e logo foram para o Brasil, a Lucy nasceu no Brasil e com 19 anos veio para o Japão.


Fomos casados por 18 anos, nos divorciamos e ficamos 7 anos sem nos encontrar ou conversar, no ano passado nos encontramos e depois de alguns meses acabamos voltando e casamos de novo.


A Lucy tem 1,58 metros 52 kg, ela tem seios grandes, ela sempre cuidou do corpo e mesmo com 45 anos ela mantém o corpo em forma.


Namoramos por 6 meses e como ela morava com os pais e eu no alojamento da firma e não tinha carro durante o namoro não tivemos muitas relações sexuais, na terceira vez a camisinha rasgou e ela engravidou e casamos.
Durante a gravidez nós transavamos frequentemente, mas sempre com cuidado, eu tentava falar de sexo mas ela evitava e falava que depois de ter o bebê ela conversaria mais sobre sexo. O nosso filho nasceu de cesariana.
Depois do resguardo uma noite a Lucy começou a me beijar e falou.
(L) O médico disse que não tem problema e eu estou com vontade de
transar, me faz gozar bem gostoso, mas com cuidado.


Ficamos nos beijando e acariciando e eu fiz uma preliminar bem caprichada, chupei a sua buceta até ela me pedir para penetra-la, esta noite a Lucy teve um orgasmo gemendo alto, até aquela noite ela sempre segurou os gemidos. Quando estávamos descansando a Lucy me falou.


(L) Você me faz ter orgasmos tão intensos, antes de você eu não sentia tanto prazer e não curtia muito o sexo, mas agora eu adoro transar com você.
(E) Sério! Isso me deixa lisonjeado. Mas no Brasil você transava bastante? Teve muitos amantes?


(L) Por que você quer saber? As mulheres não gostam de falar sobre isso! Pensei que os homens não gostam de saber sobre os antigos namorados da esposa!


(E) Eu sou diferente, você sabe que não sou ciumento e não tem nenhum problema em me contar!
(L) Quem sabe um dia te conto.


(E) Eu penso que entre o casal deve conversar sobre tudo, incluindo o sexo. Pois assim o sexo vai ficar cada vez melhor.


(L) Eu ainda tenho vergonha de falar de sexo, acho que aos poucos eu perco a vergonha. Mas é melhor ser depois que eu ficar 100% pois tenho medo que os pontos se abram, eu ainda sinto um pouco de dor no local do corte.
Aos poucos a Lucy começou a falar mais de sexo e contou que eu fui o quarto homem da sua vida, contou que antes que antes só fazia o papai mamãe e que não gostava de fazer ou receber sexo oral.


Eu desde a primeira vez que transei com a Lucy eu fiz um oral caprichado e agora ela adora receber o sexo oral, ela fazia mas não deixava eu gozar na sua boca.


Depois que ela ficou 100% num sábado eu comprei um vinho e depois que o menino dormiu nós ficamos conversando e bebendo, com duas taças de vinho a Lucy ficou alta e eu perguntei.
(E) Você não tem nenhuma fantasia sexual?
(L) Você tem? Conta a sua que depois eu conto a minha.
(E) A minha fantasia sexual e de fazer um ménage a trois com você.
(L) De transar eu, você e outra mulher?
(E) Não de transar eu, você e outro homem! Na verdade eu quero ver você transando com outro e depois eu participo.
(L) Nossa, eu sei que você não é ciumento mas não imaginava que você era tão liberal assim! E se eu acabar gemendo e gozando com outro?
(E) Mas é isso que eu quero ver! E qual é a sua?
(L) No Brasil eu tinha uma amiga que fazia programas e ficava imaginando como era fazer um programa. A minha fantasia é de ser uma prostituta, Ficar na rua vestido um casaco e por baixo do casaco usar só uma lingerie bem sexy, de preferência semi transparente, um cara para o carro e eu abro o casaco e mostro o meu corpo e se eu não for com a cara dele falo um preço bem alto, se eu achar ele simpático eu falo um preço baixo e faço um programa com ele.
(E) Sério! Adorei a sua fantasia! As nossas fantasias se completam!
(L) Parece que sim mas acho que vai continuar como fantasia, pois nesta cidade pequena não tem como fazer uma coisa dessas!
Durante a conversa a Lucy bebeu mais uma taça de vinho e estava bem alegre. Ela se levantou e falou no meu ouvido.
(L) O meu marido quer que eu transe com outro, você não quer transar comigo?
Percebi que ela estava fantasiado e me levantei e a beijei, enlacei a sua bunda com as mãos e puxei o seu corpo ao encontro de meu e falei.
(E) Se ele quer ser corno vamos colocar um chifre na cabeça dele. Você é um tesão!
(L) Me fode bem gostoso!
Eu a abracei por trás e comecei a beijar e passar a língua na sua nuca e coloquei as mãos dentro da sua camisa e com o polegar e o indicador apertava os seus mamilos, a Lucy estava toda arrepiada e gemia, comecei a dar mordiscadas e leves chupadas no seu pescoço, e falei no seu ouvido.
(E) Hoje você vai gozar como nunca gozou! Não vai querer saber mais do corno.
Geralmente eu bem carinhoso mas desta vez eu era mais bruto. Deslizei uma mão para baixo e coloquei dentro da sua calça e calcinha e com a ponta do dedo médio e do anelar pressionei o clitoris e fui deslizando em da buceta, ela estava molhada e introduzi os dois dedos, a Lucy gemeu e afastou as coxas, comecei a movimentar a mão fazendo os entrarem e saírem da buceta ao mesmo tempo que roçavam o clitóris, a Lucy.
(L) Ahhhh ssss mmm você está me deixando louquinha! Me fode, quero o seu pau em mim.
Eu abaixei a calça e a calcinha dela e tirei o meu pau para fora, a Lucy apoiou as mãos na mesa e arrebitou a bunda, eu encostei a glande na sua buceta quente e molhada e penetrei tudo com uma estocada.
(L) Ssss ahhh mmmm ai que tesão ahhhhhhhh ummm.
Comecei a fazer o vai vem e dedilhava o clitóris, a Lucy não aguentou muito tempo e logo teve um orgasmo gemendo e falando.
(L) Que pau gostoso sss ahhh assim eu não aguento, ahhh mmmm mete tudo que eu vou sss ahhh mmmm ahhhhhhhh ai to indo to indo ahhhhhhhh ahhhhhhhh.
Eu não gozei e a carreguei até a sala e a sentei na poltrona, coloquei os seus pés no encosto de braço deixando-a com as pernas arreganhadas, trocamos um beijo apaixonado, eu comecei a passar a língua no seu mamilo, e depois dei chupadas fortes e mordidas no seu seio perto do mamilo deixando algumas marcas vermelhas de mordiscadas e chupadas nos seus seios.
(E) Quando o seu marido ver vai saber que virou corno.
Fui beijando o abdômen o ventre e depois a sua coxa e fui subindo os beijos em direção da vulva, ela gemia cada vez mais alto e com os dedos afastei os lábios vaginais a passei levemente a língua no clitóris, a Lucy gemia alto e eu introduziu dois dedos e tocava o ponto G e ao mesmo tempo chupava o clitóris. A Lucy estremecia de prazer e logo falou.
(L) Quero gozar com o seu pau! Me fode, me arrebenta com o seu pau!
Apoiei as suas pernas nos meus ombros e ela ajeitou a glande na entrada da sua buceta e eu a penetrei sem colocar todo o pau, comecei a fazer o vai vem penetrando ⅔ do pau, quando ela gemia e eu sentia as suas contratações vaginais eu coloquei tudo e tirava até a glande começar a sair e penetrava tudo fazendo uma penetração mais profunda, era a primeira vez que transavamos nesta posição e a Lucy.
(L) Isso ai mete tudo bem no fundo, ahhh mmmm ai que tesão sss ahhh que pau gostoso sss ahhh é maior e mais gostoso do que o do meu marido! Ahhh mete tudo, isso assim bem no fundo ai ai que loucura, vou gozar, mete tudo com força ahhhhhhh ssssahhh ahhhhhhhh.
A Lucy teve um orgasmo intenso, eu estava prestes a gozar mas o nenê começou a chorar e tivemos que parar e eu acabei não gozando. Depois que eu dei a mamadeira para o nenê a Lucy foi fazer o nenê dormir e acabou dormindo, eu não aguentei e me masturbei imaginando ela transando com outro homem.
No domingo fomos fazer compras na cidade vizinha e durante o trajeto eu falei.
(E) Ontem foi diferente, você estava mais solta e adorei ver você gemendo e pedindo para te foder bem gostoso!
(L) Acho que foi o vinho (rs), você estava diferente, parecia que eu estava transando com outro, parecia que o seu pau estava maior, tocava bem no fundo!
(E) Isso te deu mais prazer né.
(L) Acho que a conversa e o vinho me fizeram ficar mais excitada e gozei muito gostoso!
(E) Na posição de ontem a penetração é mais profunda, acho que se você transar com um bem dotado vai gozar muito!
(L) Eu estou satisfeita com o seu! Você está falando sério mesmo? Você quer me ver transando com outro homem? Fazer um ménage?
(E) Se um dia você quiser podemos fazer tudo isso.
(L) Você me faz gozar tão gostoso, está me mostrando os prazeres do sexo, quando eu melhorar da prisão de ventre vou deixar você tirar a virgindade do meu cuzinho.
(E) É melhor você ir ao médico para tratar da prisão de ventre! Vou fazer você fica viciada em sexo anal.
Na volta a Lucy sentou no banco de trás do carro e ficou brincando com o nenê para que ele não dormisse, chegando em casa eu tomei banho com o nenê e quando a Lucy foi tomar banho eu fiz o nenê dormir. A Lucy saiu do banho e me chamou para sala e falou.
(L) Senta na poltrona.
Eu sentei e ela abriu o roupão e me mostrou as marcas nos seios e falou.
(L) Ontem eu transei com outro e ele deixou estas marcas para que você visse.
Mesmo sabendo que era fantasia eu fiquei de pau duro e Lucy.
(L) Nossa ficou assim só de saber que você virou um corno!
Ela tirou o meu pau para fora e começou a fazer um boquete, a Lucy sempre chupava um pouco e logo parava mas desta vez ela começou a passar a língua em todo o meu pau e me olhava com cara de safada, eu falei.
(E) Ele te fez gozar bem gostoso?
A Lucy colocou a glande na boca e passava a língua em volta e olhando para mim fez uhum e começou a colocar mais fundo na boca e tirar, ela fazia alguns vai vem sugando e parava deixando o que cabia na sua boca e movimentava a língua no parte de baixo da glande e freio, ela parava e falava, (L) Ele tinha um pau muito gostoso, ela chupava um pouco e falava (L) O pau dele era maior que o seu, e voltou a chupar e depois começou a bater uma punheta e falar.
(L) Quando ele me penetrou eu gemia e quando ele colocou tudo eu sentia o pau tocando no fundo da minha buceta e gemia e pedia para ele me fuder com força colocar tudo bem no fundo e acabei gozando intensamente.
Quando eu estava quase gozando eu falei para ela parar se não acabaria gozando. A Lucy começou a me chupar de novo e eu.
(E) Não aguento mais vou gozar vou gozar ahhhh
E acabei gozando na sua boca e ela engoliu todo esperma que soltei. Era a primeira vez que gozei na sua boca. Depois que ela engoliu o esperma ela veio e me beijar e trocamos um beijo apaixonado. Eu comecei a acariciar o seu corpo, tirei o seu roupão e ela sentou na poltrona, nos beijávamos e ela falou.
(L) Gostou da surpresa? Você foi o primeiro que gozou na minha boca!
(E) Estou adorando ver você perder a vergonha e preconceitos!
(L) É você que está me deixando assim! Eu gozo cada vez mais gostoso.
Sussurrava no seu ouvido e acariciava os seus seios.
(E) Quero ver você virar uma mulher que adora o sexo total sem vergonha ou preconceito,
(L) Uhum, ai que tesão! Assim vou virar uma galinha
(E) Arreganhada as pernas e abre a buceta para mim te chupar bem gostoso.
A Lucy colocou as pernas em cima da poltrona e fez o que pedi. Eu comecei a lamber o clitóris e penetrei um dedo na sua buceta molhada, com o dedo da outra mão comecei a alisar o períneo chegando no seu cuzinho e voltava, logo a Lucy gemia e pedia para que a penetrasse.
(L) Me fode, não aguento mais, quero o seu pau.
Me ajoelhei e comecei a passar a glande nos lábios vaginais e deslizava até o clitóris a Lucy pedia.
(L) Para de me torturar, me come, por favor me fode.
Encostei a glande na sua buceta e empurrei devagar, vi a os lábios vaginais se separarem e a glande sumir lentamente dentro da sua buceta quente e molhada.
(L) Ahhh ai que tesão, ai amor mete mais, me fode sss ahhh.
Fui colocando devagar sentindo o calor da sua buceta, comecei a fazer o vaivém e ao mesmo tempo acariciava o clitóris.
(L) Ai amor ai Isso ahhh ai, ai, sss ahhh mmmm assim não aguento sss ahhh mmmm ai amor ai sss to quase ahhh
A Lucy estava quase gozando e parei e a beijei e falei para ela segurar no meu pescoço e cruzar as pernas na minha costa, eu passei as mãos embaixo da sua bunda e sem tirar o pau de dentro dela eu a suspendi e erguia o seu corpo e soltava fazendo o movimento de vai vem.
(L) Ai ai amor você me mata de prazer, sss ah ah isso assim ai meu deus que tesão ahhh mmmm.
Eu a deitei na poltrona e coloquei as suas pernas no meu ombro e metia tudo com força e velocidade
(L) Ahhh ai ai ai vou explodir, aí i i i ahh assim bem no fundo ai ai me arrebenta ahh
(E) É assim que você gosta, bem no fundo com força, você gosta de um bem dotado!
(L) Ai mais, mais ai, eu quero sim, isso ai mete, mete, ai amor eu vou, eu vou, ai ahh ahh ahh.
A Lucy gozou intensamente o seu corpo tinha espasmos de prazer, a sua buceta tinha contratações apertando o meu pau e eu tive um orgasmo intenso.
A Lucy começou a mudar e antes eu que tomava a iniciativa para transarmos e agora muitas vezes era ela que tomava a iniciativa.
Dois meses depois quando a visita da Lua terminou quando eu cheguei em casa a Lucy me beijou e acariciou o meu pau e falou que esta noite tinha uma surpresa.
A surpresa fica para o próximo relato. Espero que tenham gostado.

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/transformacao-da-minha-esposa-o-inicio/3707/feed/ 4
Traindo com novinho. | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/traindo-com-novinho/3704/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=traindo-com-novinho //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/traindo-com-novinho/3704/#comments Mon, 29 Jun 2020 01:59:22 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3704 Olá, sou a Adriana, tenho 23 anos, quando tinha 15 anos eu tomava conta de um garoto,na época ele tinha 9 anos, cuidei dele até os 11,ele morava em frente a casa de minha mãe,o tempo foi passando eu fiz 18 anos casei, e ele se tornou o melhor amigo de meu sobrinho,tem total acesso a casa de minha mãe.

Certo dia eu estava na casa de minha mãe sem meu marido, e ele estava lá, acabou que fiquei sozinha com ele no quarto, a gente foi conversando até que eu percebi ele já estava com a mão por baixo de meu vestido e mexendo na minha buceta.então meti a mão por dentro do short dele e peguei no pau, o tesão aumentou,pedi pra ele me comer mas ele ficou com medo pois podia entrar alguém no quarto.como moro perto da casa de minha mãe chamei ele pra ir em minha casa com desculpa de buscar um vinho, chegando lá só nós dois não tirei nem o vestido sentei ele no sofá, abaixei a calcinha e sentei gostoso, nem acreditava que tava traindo meu marido com o melhor amigo de meu sobrinho, depois ele me colocou de quatro no sofá me fudeu rápido e com força, com uns 10 minutos ele tirou a rola pra fora e gozou na minha barriga,ai ele foi embora e eu tomar banho,pois já era quase 7 da noite e meu marido estava perto de chegar.
ele não foi meu primeiro chifre depois volto pra falar como tudo começou e a puta que sou hoje.

leia mais contos traição com novinho

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/traindo-com-novinho/3704/feed/ 2
VIZINHA COROA GORDINHA DE QUARENTENA (REAL) | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/vizinha-coroa-gordinha-de-quarentena-real/3700/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=vizinha-coroa-gordinha-de-quarentena-real //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/vizinha-coroa-gordinha-de-quarentena-real/3700/#comments Sun, 28 Jun 2020 04:12:20 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3700 Olá, me chamo Felipe o que passo a contar agora foi inesperado, maravilhoso, mas real. Desculpa o tamanho do conto, mas prometo compensar no final. rs

Vou nós descrevermos um pouco, eu 34 anos, agora deixo com a imaginação de vocês sobre minha aparência, rsrsrs.

Ela 51 anos (descobri recentemente), 1,79, branca, cabelos castanhos, não me importo com peso de uma mulher ou qualquer coisa do tipo, mas ela e gordinha, com um quadril largo e pernas grossas, peitos médios, mais lindos.

Tudo começou há 20 dias, moramos em um prédio pequeno sem elevador, moramos de frente um para o outro, mas mesmo sendo vizinhos de porta, nunca tivemos conversas longas ou pessoais, normalmente era sobre problemas do prédio ou algo do tipo, ela sempre se mostrou muito fechada, nunca levando a conversa para o pessoal.

Vamos aos fatos.

Há 20 dias, nós encontramos no corredor, os dois de máscaras, mas deu pra ver que ela não estava com uma aparência muito boa, perguntei se ela estava bem, E para minha surpresa ela respondeu que não, me falou que estava com febre a 2 dias, e estava preocupada que fosse algo mais sérios, aconselhei a procurar um hospital caso não melhorasse com remédios.
Fiquei preocupado e como tem o grupo do Whatsapp do prédio, mandei mensagem no particular, mas sem segundas intenções, por mais que o fato dela ser gordinha sempre me atraiu muito, (amo gordelicia,rsrsrs), mas realmente estava preocupado, ela respondeu que não estava muito bem e iria para o médico, pedi para me chamar caso precisasse de alguma coisa.
No dia seguinte ela me chamou, falou que já estava em casa e o tinha feito o teste do COVID-19, mas não tinha saído o resultado, perguntei se precisava de algo, pois iria ao mercado.

Ela falou que precisava de algumas coisas e se eu poderia trazer pra ela, falei que ficaria feliz em ajudar, fiz as compras e deixei na porta dela, ouvi quando ela pegou as sacolas e em seguida me mandou mensagem agradecendo.

Começamos a conversar mais vezes, eu sempre me oferecendo para alguma ajuda, finalmente saiu o teste e deu negativo para COVID-19, ela me agradeceu pela atenção e as idas ao mercado, farmácia e etc…
Os dias foram passando e nossas conversas continuaram, eu nesse momento percebi que ela falava mais sobre sua vida pessoal, até problemas com a filha que mora com o ex-marido, e para minha surpresa nossa conversa chegou ao sexo, falou que estava há um tempo sem sexo, e a conversa esquentou muito, a ponto de falar pra confessar do tesão que tinha por ela, em seguida ela falou que estava cansada e que iria dormir.
Nessa hora meu coração parou, pensei que bosta, falei merda, ela não gostou, pensei em mandar mensagem pra ela pedindo desculpas, mas resolvi esperar o dia seguinte, pela manhã mandei uma mensagem pedindo desculpas, que tinha falado besteira que foi o calor do momento.
Depois de um tempo ela respondeu (pode imaginar minha ansiedade), ela falou que tudo bem, que ficou sim assustada, mas ao mesmo tempo surpresa, e que durante a noite pensou muito no assunto, falou que nunca tinha me visto dessa forma, que nunca se imaginou com alguém tão mais novo e coisas do tipo, entendi o recado e pedi desculpas novamente.
O dia se seguiu normalmente, por volta das 22h30min, ela me mandou mensagem, falou que tinha voltado no médico pra pegar o resultado do novo teste e também tinha dado negativo, agradeceu a ajuda e a preocupação, eu pedi desculpas novamente e falei que estava, a disposição para ajudar mesmo sabendo que não iria aceitar depois do ocorrido.
Ela falou que não tinha problema e depois de pensar muito sobre o assunto até que ela gostou de saber que ainda desperta o interesse em um homem, principalmente mais novo, ACHEI MINHA OPORTUNIDADE, não perdi tempo e tentei novamente esquentar a conversa e obtive sucesso, depois de um tempo ela já estava novamente falando do que gostaria de fazer, mas agora eu era o foco, falou o que tinha pensado em fazer comigo, foi nessa hora que tentei o tudo ou nada, falei a porta da minha casa está aberta, se quiser descobrir se sou como imaginou estou esperando.
Ela ficou um tempo sem digitar nada, depois percebi que ela começou a digitar e parou isso, aconteceram umas duas vezes, mas não mandou nada, depois de uns minutos veio à mensagem.

A MINHA PORTA TAMBÉM ESTÁ ABERTA.

Dei um pulo da cama e no mesmo segundo já estava na porta do apartamento dela, entrei e fui em direção à única luz acesa, entrei no quarto e tive a visão de uma mulher maravilhosa, fui recebido com um lindo sorriso seguido da frase “somos loucos” me aproximei a puxei da cama em minha direção e nos beijamos, nossa que delícia, que beijo gostoso, eu com uma mão na sua nuca a outra puxei ainda pra mais perto, senti sua respiração ficar mais forte.

Coloquei ela contra a parede, fazendo minha coxa encaixar no meio das suas pernas, ela parou de me beijar e gemeu no meu ouvido, virei ela de costas para deixando de frente para a parede, com minha mão ainda em sua nuca levantei seu cabelo e beijei sua nuca, fazendo ela soltar outro gemido, com a outra mão na cintura puxei ela, meu pau estava muito duro, quase rasgou minha cueca e sua calcinha.

Minha mão foi subindo por sua barriga deliciosa, chegando aos seus peitos, apertei e sua mão veio por cima da minha apertando ainda com mais força seu peito, ficamos assim por um tempo até eu virar ela novamente, e dar outro beijo agora com mais vontade.

Ela me empurrou na cama e veio por cima me beijando, nós beijamos por algum tempo, minhas mãos agora na sua bunda grande, eu abria a bunda dela fazendo com que a calcinha entrasse ainda mais, inverti a posição e fui por cima, beijando sua boca, descendo por seu pescoço, até chegar aos peitos, tirei seu sutiã, deixando amostra seus seios lindos, de bicos grandes e rosados, não resisti, chupei com muita vontade, ela gemendo cada vez mais, enquanto ela apertava minha cabeça contra seus peitos, fazendo eles entrarem ainda mais na minha boca, eu batia com eles na minha cara chupava e lambia com vontade, alternava entre sua boa e seu peitos.
Desci beijando cada cm, cada curva, até chegar a sua buceta, onde senti a calcinha completamente molhada, lambia e dava leves mordidos por cima da calcinha, fazendo ela gemer alto, até que eu não aguentei mais e com um dedo coloquei a calcinha de lado deixando aquela linda buceta, vermelha, lisinha, cheirosa e completamente encharcada, a minha disposição, com os dedos abri os lábios dela fazendo seu clitóris pular para fora, nessa hora minha boca encheu d’água, e passei a língua bem de leve algumas vezes, até que ela se inclinou para frente e enfiei toda minha língua dentro da sua buceta.

Nossa que delícia, aquela combinação de sabores me deixou louco, um sabor, alcalino, salgado, mas incrivelmente doce, ela começou a gemer ainda mais alto e não demorou muito pra sentir ela apertando minha linha com sua buceta, acelerei ainda mais as lambidas e elas gozou.
Ela me empurrou me deixando em pé ao lado da cama, ela sentou e começou a passar a mão no meu pau por cima da cueca, olhou pra mim sorriu e abaixo um pouco a minha cueca, fazendo meu pau pular pra fora, quase entrando direto na sua boca, com uma mão ela segurou ele pela base e dei um beijo na cabeça, que a essa altura estava todo melado, de uma só vez ela engoliu ele todo, me fazendo ir às nuvens, ela chupava com muita vontade, em certo momento ela me joga na parede e se ajoelha na minha frente, aumentando cada vez mais o ritmo, eu estava com tanto tesão que quase gozei na boca dela, depois de muito me chupar ela se levanta, me olha com um sorriso safado, se vira e fica de 4 na beira da cama, me olha e fala.

“VEM, QUERO ELE DENTRO DA MINHA BUCETA”

Coloquei novamente a calcinha para o lado, passei algumas vezes a cabeça do meu pai na entrada da sua buceta, tirando um gemido baixinho, e senti fazendo força contra meu pau, ela estava tão molhada, que ele entrou com muita facilidade, suave e lento, quando ele entrou todo segurei firme pela sua cintura é em uma sincronia perfeita fizemos força juntos eu forçando contra ela e ela em minha direção, fazendo ele entrar o mais fundo possível, ficamos alguns segundos assim, e comecei a lentamente o vai e vem, e conforme ela forçava sua bunda contra meu pau, mais forte eu socava na sua buceta , em certo momento ela inclinou a cabeça para trás deixando seu cabelo a minha disposição, com uma mão acariciava sua bunda grande, com estrias e celulites (como eu amo isso nas mulheres), a outra mão segurei firme nos seus cabelos, enfiei meu pau ainda mais funda e com mais força, depois de alguns minutos nesse ritmo, ela anuncia que vai gozar novamente, eu ouvindo isso não aguentei e gozamos juntos, foi uma explosão ela forçando eu tentando entrar ainda mais dentro de sua buceta, o ritmo foi diminuindo até ela cair sobre a cama.
Eu deitei por cima dela, beijei seu pescoço, ficamos assim por um tempo.
Ela se levantou e me chamou para o banheiro.
Esse relato ficou maior do que esperava então vou terminar por aqui, se gostou e/ou gostaria de saber o que aconteceu no banheiro e nos dias seguintes, deixa uma mensagem ou me manda direct no Instagram ou Skype abaixo.
Instagran: felipe.contos
Skype:

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/vizinha-coroa-gordinha-de-quarentena-real/3700/feed/ 2
Um inverno quente | xltrade.ru //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/um-inverno-quente/3698/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=um-inverno-quente //xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/um-inverno-quente/3698/#respond Thu, 25 Jun 2020 09:32:24 +0000 //xltrade.ru/aphroditeporntube/?p=3698 Naquele inverno, por incontáveis minutos, Sophia imaginava como seria ser tocada por aqueles dedos hábeis, que de forma costumeira via-se um giz esbranquiçado entre eles. Do lugar que estava pôde ver com precisão o corpo dele por inteiro, o jeito que se movia com leveza, exalando juventude mesmo estando com seus 30 anos.

A idade, na opinião interna e sincera de Sophia, acrescentava uma áurea ainda mais cativante naquele que era seu professor. Um homem de sorrisos fáceis, carregados de sarcasmo que podia muito bem ser taxado de adulto moderno, com alma de adolescente eterno.

Os cabelos negros, eram enrolados em cachos que lhe davam uma aparência angelical. Mas todos naquele faculdade sabiam que ele era tudo, menos um anjo.

A fama de mulherengo era algo que perseguia Alexandre, como um cachorro faminto em busca de um osso qualquer, que acreditava ser de verdade, mas no fim das contas era um plástico que ao apertar soava estridente para os ouvidos.

Porém, ele fazia jus a essa reputação, afinal era solteiro e gostava de companhia não só na cama, como em qualquer parte de sua casa, que tenha uma inclinação boa para um sexo quente. Mas o que muitas não queriam entender, era seu grande amor por lecionar, levando-o a nunca se envolver com suas alunas. Mesmo que todas estejam na maioridade.

Tudo isso, porém, não parecia entrar na consciência de Alexandre quando via Sophia com aquele vestido vermelho, apertado na cintura e marcando com perfeição seus peitos fartos. As pernas dela eram torneadas, mas não de uma possível pagante de academia, pelo contrário. Sophia não era um estereótipo como as modelos nas capas de revistas.

Os braços não eram tão finos, assim como sua cintura e quadril, mas esse fato era um detalhe dentre tantos outros, que deixava Alexandre com uma ereção pulsante no meio das aulas.

O sinal tocou, todos se levantaram das cadeiras recolhendo os materiais com rapidez. Era um sábado congelante, todos queriam um banho quente e uma cama macia.

Menos Alexandre e Sophia, ambos estavam sentados ainda. Ela em sua cadeira no meio da sala, repousando a cabeça na mesa em um sono leve, uma escapatória diante dos pensamentos impuros. Já ele, levantou de seu acento como professor e balançou o braço para que a manga da blusa social branca saísse do caminho. 17h30 marcava seu relógio dourado, uma das muitas relíquias de familia.

Alexandre limpou a garganta, em uma tentativa falha de acordar sua aluna, mas não obteve resposta. Soltou um ar pesado de impaciência.
Em passos rápidos parou ao lado da mesa dela, cruzou os braços observando seu rosto sereno.

Do ponto de vista dele, os cabelos dela tinham uma cor linda de caramelo, imaginou como seria enrolar esses vários cachos dela entre os dedos, puxando com força a medida que investia fundo em sua boceta apertada.
Saiu de seu transe quando ouviu um gemido feminino e baixo, quase não acreditou. Seu olhar se tornou mais aguçado na direção do rosto da doce aluna a sua frente.

O rosto de Sophia estava corado, respiração rápida e a boca entreaberta, tudo denunciava excitação, a não ser por seus olhos fechados.
Alexandre não podia estar mais curioso. Com o que sua aluna sonhava? Se perguntou mentalmente, com a curiosidade acompanhando a excitação.

O gemido de Sophia, fora tão doce quanto a mesma.
Alexandre descruzou os braços, apoiou uma mão aberta na mesa e a outra usou para tirar alguns cachos dela do rosto, os arrumando atrás da orelha, para então descer os dedos por seu pescoço.

Ele pôde ter certeza que a pele de sua aluna é tão macia quanto seda, fazendo com que se perca ao tocar sua clavícula exposta. Pôde sentir o perfume vindo da mulher, um aroma suave de rosas com jasmim.
A curva dos seios dela, subiam e desciam conforme respirava.
Completamente hipnotizado ao lhe tocar o pescoço, ouviu outro gemido, esse além de arrepiá-lo, fez com que percebesse o quão errado estava. Sophia era sua aluna, mesmo tendo 20 anos, não estava ao seu alcance. – além de não parecer uma garota que aceitaria um sexo que ele gosta de proporcionar – Ela está indefesa, dormindo. Isso é errado.

Sua mão foi se afastar, mas antes que a tirasse por completo, as grande órbitas cor de ônix da doce Sophia, se abriram fitando seu professor. Ele fora pego no ato com a mão prestes a se afastar.

Os minutos pareceram estacionar por tempo suficiente para que Sophia continuasse parada após a surpresa, fazendo o ar se tornar misterioso. A curiosidade de Alexandre estava lhe corroendo.

– Professor eu sinto muito, não queria ter dormido.

– Não mesmo? – Um sorriso de canto lhe tomava a face, deixando evidente o erro cativante da genética: uma pequena covinha na bochecha direita. – Minha aula de literatura é tão ruim a ponto de lhe fazer dormir?

O tom mesmo suave, soou cortante para os ouvidos de uma aluna dedicada como Sophia sempre gostou de ser.

– Não! Pelo contrário! – Sophia levanta a cabeça, ajeitando a postura. – Eu gosto muito, só…precisei dormir.

– Precisou? – Repete com um tom verdadeiramente curioso. – Passo tanta materia extra assim? – Brinca. – Você mal chegou no TCC.

– Assuntos pessoais, professor. – No rosto de sua aluna, Alexandre se sentiu instigado ao vê-la corar. Cólica menstrual talvez? Chutou em pensamento.

– Peço que não misture seu lado pessoal quando entrar na minha aula.

– Esse é o problema. – O sussurro resignado de Sophia, soou como um desafio aos ouvidos predatórios dele.

– Seu lado pessoal? – Ele sugere voltando a cruzar os braços, acompanhando com o olhar cada objeto que ela passa a guardar na bolsa, de forma um tanto desajeitada.

– Sua aula. – Solta com simplismo. Mas logo ele nota que aquelas palavras eram secretas, já que Sophia acrescenta com rápidez. – Esqueça professor, até segunda.

Ela se levanta, ajustando a barra no vestido, não é apertado. Pelo contrário, é excessivamente solto nas pernas, deixando-o um pouco preocupado com a saúde dela. Afinal, é inverno, e essa bota marrom, – aos olhos dele – não é um bom aquecedor corporal.
Os passos de Sophia são calmos ao desviar das mesas, mas antes que abrisse a única e pesada porta de madeira naquela sala, Alexandre espalma uma mão ao lado da cabeça dela, impedindo que abra por completo.
Alexandre Moratti, o professor de literatura, estava há poucos centímetros do corpo de Sophia, ela pôde ouví-lo puxar o ar com força, cheirando seu cabelo. Quando constatou isso, a garota fechou os olhos.

– Algum assunto pendente comigo, professor?

– Seus assuntos pessoais…eles são tão bons a ponto de gemer?

Após a pergunta, a respiração de Sophia torna-se acelerada aos poucos.

– O que está dizendo, professor?

– Olhe pra mim. – O tom de voz usado por Alexandre foi tão cortante quanto o usado minutos atrás, com a diferença de tê-la arrepiado.

Quando virou aos poucos, seus olhos se abriram, fitando a íris verde e profunda dele. Podendo notar que estava se dilatando aos poucos.

– Deve ser resultado do meu sonho. – Justifica tentando desviar o olhar, mas é impossível. Ela estava presa. Hipnotizada. – Mais alguma coisa, Professor Moratti?

– Só Alex. – Dito isso, Alexandre sobe a mão livre, tocando a face corada dela. – Posso deduzir?

– Tente.

– Um sonho erótico, estou certo?

– Não está. – Em seu pensamento, Sophia se encolheu com a consciência pesada por mentir. Sim, ele estava certo, mas a personalidade durona que lhe foi fortificada até agora, é a culpado pela omissão.

– É uma pessima mentirosa. – Constata negando com a cabeça. – Não quer dividir seu sonho comigo?

– Professor, – Sophia começa, mas o olhar de repreensão dele lhe faz se corrigir. – Alex, você não é uma pessoa indicada pra isso.

– Por que? – Antes que possa responder, Sophia se assusta com o quão perceptível ele era. – Me diga, o que eu fazia no seu sonho?

– Como?

– Posso tornar realidade, Sophia. – O tom de voz era sugestivo, acompanhando a massagem suave dos dedos dele, na nuca dela.

– Não, não pode. – Nega e por impulso, espalma as mãos no abdômen dele, na intenção de afastá-lo, não por se sentir desconfortável, e sim por estar na corda bamba, pronta para perder o controle. Um erro, já que o toque foi um incentivo prazeroso para ambos.

– Sophia, o que eu fazia em seu sonho? – O tom de voz rouco acertou em cheio os hormônios dela.

Reunindo toda a coragem, sem pensar ou cogitar o quão errado era. Sophia agiu por impulso do desejo e contou.

– Me comia, com força, em cima da sua mesa. Batendo com força na minha bunda enquanto me xingava. Satisfeito…Alex? – Ao terminar, Sophia colocou um peso extra ao pronunciar o nome. Sua calcinha estava encharcada com a coragem que teve, mas nada supera o olhar que recebeu.

– Tenho consentimento?

A pergunta fez a mulher parar e pensar, não era a resposta que esperava. Pensou que iria rir dela, dizendo que era uma brincadeira e foi longe demais.

– Para que?

Alexandre aproxima o rosto da orelha dela, tendo que se curvar um pouco, já que em sua visão, o que a mulher tinha de gostosa, igualava por altura. Sophia não pensava assim, já que sempre se sentiu gigante em comparação com as outras mulheres.

– Foder você.

– Não podemos.

– Somos adultos, Sophia, você é livre pra escolher. Não vou perguntar duas vezes. – Alexandre afastou o rosto, olhando no fundo dos olhos dela. – Sim ou não?

Que se foda o certo e o errado, eu quero dar pra esse homem, pensou ela, mas se sentiu tímida. Não era virgem e muito menos santa, mas nunca transou com um professor.

– Sim.

– Não prometo ser gentil.

– Não espero que seja. – Sophia garante, já distante de si. Hipnotizada pelo momento, tendo noção de não pensar mais logicamente.

A resposta recebida, satisfez Alexandre de uma forma que ele próprio se surpreendeu. Não conseguiria ser de outro jeito, lhe foi dado um gosto extravagante e fora do pateticamente conservador. Sexo pra ele, precisava ser intenso, com marcas e tudo o que tiverem direito. Ambos. Por isso sempre buscou uma companhia com gostos igualados.
Alexandre tirou a mão da porta e puxou sua aluna pela cintura, colando seu corpos em um beijo forte e necessitado. Ambos fantasiaram esse momento desde o começo das aulas.
O professor segurou as coxas dela, incentivando a enlaçá-lo, para então levá-los até sua mesa. Colocou Sophia sentada e interrompeu o beijo com uma mordida contida no seu lábio inferior.
Moratti usou ambas as mãos e afastou os joelhos dela, deixando-a aberta, expondo sua calcinha também vermelha e completamente rendada. Alisou os polegares na pele sensível do começo da sua coxa, em seguida aproximou o rosto e depositou beijos leves na parte interna.
Alexandre sentiu duas mãos em seu cabelo, incentivando a cair de boca na buceta pulsante de Sophia. Ao notar isso quase riu, ela era inocente se pensava que seria do jeito dela. Ele daria prazer à ela, mas nas regras dele.
O professor subiu a cabeça, quando já estava na altura dos peitos dela, deu um beijo em cada seio. Ficou em pé, ereto – além do pau – e segurou a cabeça dela, com ambas as mãos.

– Espero que saiba separar sexo de ofenças reais, Sophia.

– Não sou boba. – Dito isso, enlaça ele com as pernas e passa a roçar sua boceta, ainda coberta pelo tecido, na ereção aparente sob a calça jeans. – Será que chupar seu pau é tão bom quanto beijar sua boca?

– É melhor, – Garante seguro de si, estava gostando dessa outra versão dela. – mas isso vai descobrir outro dia.

Dando por encerrada a conversa, Alexandre passa as mãos pelas costas dela, alcançando o zíper do vestido. Ao ver a peça caindo, se delicia com a visão dos peitos fartos cobertos por outra peça de renda, também vermelha.
Ele repete o ato, em questão de segundos o sutiã já não está mais no lugar e sim no chão ao lado. Para seus atos e aprecia os peitos de Sophia, com as auréolas amarronzadas e os bicos saltados de tesão.
Antes que ela possa se firmar, ele pega um dos seus seios com uma mão, rodando o bico entre o polegar e indicador. Quando sua aluna fecha os olhos, ele desce a boca e passa a chupar o outro seio.
Sophia segura a cabeça dele com as mãos, já que Alexandre usa a mão livre para mantê-la no lugar pela cintura. O gemido dela se torna mais manhoso, quando seu professor passa os dentes no bico, antes de chupar com força a pele sensível ao redor.
Sophia se esfrega ainda mais nele, o que parece incentivá-lo ainda mais a continuar. Ela sente que poderia ter um orgasmo apenas com isso. Alexandre percebe o estado em que deixa ela, tira o mão de seu peito e desce até o meio de suas pernas abertas. Mas em momento nenhum afasta a boca.
Os dedos hábeis dele passam a fazer um carinho suave por cima da calcinha rendada, sentindo o inchaço excitado dos lábios maiores da boceta apetitosa dela. Usa o dedo indicador e afunda no tecido molhado, passando a massagear o clitóris dela, circulando com força, mas sem pressa.
Esse ritmo lendo e premeditado, faz Sophia estar deliciosamente vulnerável.
Com o prazer crescente, ela queria sentir pele com pele, então desce uma mão na intenção de afastar a calcinha.
Quando faz isso, Alexandre usa os dedos para beliscar com força o peito dela. Afasta a boca do seio que chupava, soprando a pele quente e molhada. Em seguida se afasta por completo, pegando Sophia pela cintura e a colocando firme no chão.
Com olhar de pura indignação, ela se prepara para protestar o ato interrompido, faltava pouco. Mas antes de qualquer retaliação, ele vira sua aluna de costas e desce por completo o vestido.
A bunda de Sophia é arredondada, realçando seu quadril largo. Cada parte dela é farta e gostosa, fudidamente sensual. Alexandre passa os dedos pela lateral da cintura dela, a pele de Sophia parece queimar onde é tocada por seu professor.

Seu lado safado me deixa duro, Sophia.

– Posso sentir. – Essa afirmação veio com um rebolado dela. Antes de prosseguir, Alexandre sente a mão da mulher apertando seu pau latejante por cima da calça. – Tudo pra mim.

– Sim, tudo pra você, minha putinha. – Antes que ouça outra resposta, ele força o corpo dela a deitar na mesa, prensando os peitos na mesa de vidro fria.

Alexandre abre o zíper da calça e tira o pau ereto pra fora, que pulsa na sua mão, deixando visível algumas veias. Ao virar a cabeça para o lado, Sophia consegue ver e fica com água na boca só de imaginar como seria seu gosto na boca dela, chupando seu pré-gozo, se deliciando com o pau dele e engolindo cada gota no final. Só de fantasiar isso, sua boceta pulsa ansiosa.
O professor pega um preservativo no bolso da calça e o desliza por toda a extensão do pau. Segura a cintura de Sophia e passa as mãos ao redor dela, alcançando novamente o clitóris ainda coberto. Massageia e para, afastando a calcinha.
O gemido alto dela, trás ainda mais luxúria no ambiente, isso junto com o som molhado de um dos dedos dele entrando e saindo da boceta dela. A lubrificação é o suficiente para nada entre eles ser silencioso.
Alexandre aprecia o quão apertadinha é a boceta da sua aluna safada preferida. Após tirar o dedo, volta com outro, passando a investir rápido com dois dedos sem parar. Com o polegar passa a circular o clitóris inchado de Sophia, deixando sua aluna perdida de tesão, rebolando na mão dele.
A investidas ficam mais fortes, fazendo o corpo dela ir pra frente em alguns momentos, mas logo volta por vontade própria, forçando o corpo na mão dele. Sophia estava literalmente nas mãos de Moratti.
Quando já não aguenta mais, ela sente o calor se intensificando e goza nos dedos do professor, que mesmo hipnotizado, não está satisfeito.
Tira os dois dedos e os leva até a boca, tudo isso acompanhado pelo olhar de canto dela, nublado de tesão.
Na boca dele, o gosto é doce como mel, Sophia é viciante.
Alexandre leva as mãos e tira a calcinha de renda, tento agora uma visão ainda mais ampla da bunda excitante de Sophia.
O professor usa uma perna e afasta as dela, deixando-a mais aberta ainda. Aperta sua cintura e roça a cabeça do pau na entrada molhada e pulsante da boceta da Sophia, que com ainda mais tesão, joga o corpo na direção do pau duro dele.
Como resposta, recebe um tapa estalado na bunda, seguido de outro que deixa sua nádega direita com um tom rosado, que na visão dele, é um afrodisíaco pros olhos.

– Quero você parada Sophia. – Avisa com um tom sério.

– E eu quero seu pau dentro de mim, Alexandre. – Retruca com a voz manhosa. Uma música para os ouvidos dele.

– Eu sei, Sophia. – Garante condescendente. O professor penetra apenas a cabeça do pau, para e em seguida tira e voltar a roçar, dessa vez no clitóris dela. – Mas no meu tempo.

– Foda-se o seu tempo. – Ralha com a mandíbula apertada. Como resposta às suas palavras, Alexandre desfere mais três tapas, um seguido do outro, com o último ardendo ainda mais que os outros. Mas cada um leva outra onda de prazer, nublando os pensamentos de Sophia. – Por favor, Alex…

Mostrando o quão certas foram suas últimas palavras, Alexandre penetra por completo seu pau, fazendo Sophia soltar um gemido mais agudo, quase um grito.
Uma mão dele sobe e se fixa no pescoço dela, sem apertar com muita força, afinal se for para enforcá-la no sexo, que seja de frente. Apenas exerce pressão o suficiente para que não saia do lugar.
Já a outra mão deixa espalmada em sua cintura, mas sem se conter, Alexandre leva os dedos até a área atingida pelos tapas, e com satisfação ele aperta, resultando em um pulo de Sophia, que logo é repreendido com mais dois tapas na mesma região.
A cada tapa, Sophia já não sabe mais o que sentir, já que seu professor não diminui a força e muito menos a precisão das estocadas, tirando e metendo com força e indo fundo sem dó. Afinal, Sophia sabia que seria assim e está gostando mais do que imaginava.
Moratti deita o corpo sobre o dela, colando a boca no ouvido de Sophia, cessa as estocadas, mas passa a estimular o clitóris dela ao falar, para que apenas sua aluna ouça.

Sua bucetinha é tão apertada, Sophia, seu gosto é tão bom…pode ter certeza que eu ainda vou chupar cada parte dessa sua boceta gostosa. – A mão livre de Alexandre toca os lábios de Sophia, colocando um dedo entre eles, que ela logo passa a chupar com talento, sustentando o olhar. – Ainda vou sentir essa boquinha macia ao redor do meu pau, você quer, não quer? – Incentiva ao pegar o clitóris dela entre os dedos, dando um beliscão. A resposta vem com um gemido, com o dedo dele ainda sendo apreciado pela língua dela. O olhar expressado por ele deixa claro que não foi o suficiente aquela resposta. Sophia logo acena com a cabeça em sinal de obediência. – Você quer gozar minha puta?

Dito isso, outro aceno de cabeça, Sophia quase gozou com essas palavras, mas segurou como pôde, já que não queria que tudo acabasse tão cedo. Foi difícil aguentar, afinal, Alexandre voltou a tocar o clitóris dela, dessa vez em movimentos torturantes de tão lentos.

– Goza pra mim, Sophia.

Antes de se afastar, deixa um chupão no lóbulo da orelha dela.
O professor volta à postura anterior e recomeça as estocadas, sem tocar seu clitóris, apenas segura o pescoço para firmá-la.
Investe com força, sem parar, sentindo o suor escorrer pela testa, não tão diferente de sua aluna, que tem alguns cachos grudados no rosto. Não o suficiente para impedí-la de vê-lo, mas o bastante – para na visão dele – deixá-la sensual.
Moratti também segurava o orgasmo, queria levá-la ao limite. E conseguiu alcançar isso para ambos, ao mesmo tempo.
O ápice chegou quente, forte e com um último tapa na bunda sensível de Sophia.
O professor se deliciou ao ouvir Sophia gozando com o nome dele saindo dos lábios dela.
Não parou de forma abrupta, mas sim aos poucos, até sair completamente.
Esse não era o fim, ambos tinham certeza disso. Era um começo, um início excitante e intenso para muito mais sexo pela frente.
Sophia e Alexandre Moratti, entraram em um caminho quente gostoso, com saída, mas que nenhum dos dois queria. Eles se afundariam cada vez mais.

Afinal, negar um desejo, é ter um orgasmo a menos na vida. No caso deles, vários.

]]>
//xltrade.ru/aphroditeporntube/contoerotico/um-inverno-quente/3698/feed/ 0